segunda-feira, 15 de agosto de 2011


Eu já quis ser freira, astronauta, dentista, jornalista, e mais um milhão de coisas. Eu não me importo com o que você vai pensar de mim. Eu não me importo com o que você vai falar de mim. Eu só me importo em viver a minha vida do jeito que eu quero que ela seja, sem olhar pra trás e me arrepender do que eu não fiz e quem quiser ficar do meu lado é bem-vindo. Dispenso opiniões de quem não me quer bem. Eu me amo, apesar de as vezes esquecer um pouquinho disso. E igual a você, e todo mundo, eu só quero ser feliz.

Os seus olhos se encontravam cheios de lágrimas, ela não sabia como ainda conseguia chorar, seu corpo não tinha mais água, não tinha mas coração, não tinha mais nada que fizesse ela ficar de pé, ela apenas não sentia, apenas vegetava em suas lágrimas. Ali restava apenas um sentimento de falta, uma dor profunda, que apenas ela sabia como doía. Falta algo. Faltava o seu amor, faltava um coração, faltava um sorriso. É uma pena que nem todos conseguem ser felizes, nem todos conseguem sobreviver depois de uma queda, poucos e sortudos são os que conseguem levantar. Apenas os corajosos, os com garra que levantam sorrindo. E este não era o seu caso, ela apenas estava ali vivendo as consequências de uma vida de quem resolveu escolher o amor.

sábado, 13 de agosto de 2011


Eu já sofri por amor. Já mudei o meu jeito de ser pra tentar agradar algum menino enquanto estava perto dele. Eu já me tranquei no banheiro e começei a mexer no meu cabelo, ver outro modo de usá-lo, e até mesmo já cheguei a cortá-lo só pra chamar atenção daquele alguém ou por simplesmente estar cansada e querer mudar. Eu já passei o dia todo vestida de pijama. Eu fico sem graça quando recebo algum elogio. Eu já me apaixonei por um tremendo galinha. Eu sou muito, muito preguiçosa. Tenho um gênio forte. Não tenho paciência pra ensinar algo que aprendi sozinha. Já corri atrás de pessoas que poderiam ter feito o mesmo por mim, mas não fizeram. Já fui boba demais. Já me enganei demais. Já quebraram meu coração várias vezes. Mas eu sou maior que isso. Meu coração tá aqui, reconstruído. Pronto pra amar mais. Ele tá aqui, pronto pra ser entregue pra aquele alguém que vai saber cuidar dele melhor do que eu. .


sexta-feira, 12 de agosto de 2011


Porque hoje, tudo a machucava; as promessas machucavam, as mentiras machucavam, o amor a machucava. E amanhã, continuaria assim; seria apenas um dia como todos os outros; em que ela acordaria, e apenas respiraria, só por pura obrigação.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011


“Lá está ela, mais uma vez. Não sei, não vou saber, não dá pra entender como ela não se cansa disso. Sabe que tudo acontece como um jogo, se é de azar ou de sorte, não dá pra prever. Ou melhor, até se pode prever, mas ela dispensa. Acredito que essa moça, no fundo gosta dessas coisas. De se apaixonar, de se jogar num rio onde ela não sabe se consegue nadar. Ela não desiste e leva bóias. E se ela se afogar, se recupera. Estranho e que ela já apanhou demais da vida. Essa moça tem relacionamentos estranhos, acho que ela está condicionada a ser uma pessoa substituta. E quem não é? A gente sempre acha que é especial na vida de alguém, mas o que te garante que você não está somente servindo pra tapar buracos, servindo de curativo pras feridas antigas? A moça…ela muito amou, ama, amará, e muito se machuca também. Porque amar também é isso, não? Dar o seu melhor pra curar outra pessoa de todos os golpes, até que ela fique bem e te deixe pra trás, fraco e sangrando. Daí você espera por alguém que venha te curar. Às vezes esse alguém aparece, outras vezes, não. E pra ela? Por quem ela espera? E assim, aos poucos, ela se esquece dos socos, pontapés, golpes baixos que a vida lhe deu, lhe dará. A moça – que não era Capitu, mas também têm olhos de ressaca – levanta e segue em frente. Não por ser forte, e sim pelo contrário… Por saber que é fraca o bastante para não conseguir ter ódio no seu coração, na sua alma, na sua essência. E ama, sabendo que vai chorar muitas vezes ainda. Afinal, foi chorando que ela, você e todos os outros, vieram ao mundo.”

sábado, 6 de agosto de 2011


Aprendi que amores eternos podem acabar em uma noite, que grandes amigos podem se tornar grandes inimigos, que o amor sozinho não tem a força que imaginei, que ouvir os outros é o melhor remédio e o pior veneno, que a gente nunca conhece uma pessoa de verdade, afinal, gastamos uma vida inteira para conhecer a nós mesmos, que os poucos amigos que te apóiam na queda, são muito mais fortes do que os muitos que te empurram, que o "nunca mais" nunca se cumpre, que o "para sempre" sempre acaba, que minha família com suas mil diferenças, está sempre aqui quando eu preciso, que ainda não inventaram nada melhor do que colo de mãe desde que o mundo é mundo, que vou sempre me surpreender, seja com os outros ou comigo, que vou cair e levantar milhões de vezes, e ainda não vou ter aprendido tudo.

De um jeito ou de outro, sigo bem. Com cabeça erguida, peito estufado e sempre adiante, porque a vida não pára. Levo comigo algumas feridas, decepções, traumas, muito aprendizado, amadurecimento e várias lições de moral. Sigo confiante para a próxima, porque sim, terão vários outros momentos ruins. E em alguns deles eu vou pensar que não dá mais pra aguentar, mas eu sei que sempre vou me erguer novamente e prosseguir, como tenho feito há muito tempo. O negócio é não duvidar do quão forte eu sou e do quanto posso suportar.

terça-feira, 2 de agosto de 2011


Ele: Ontem eu te vi de mãos dadas com outro cara. Ele era.. da hora. Mas ele segurava nas suas mãos de maneira errada e ele te deixou andar do lado de fora da calçada. Olha, eu sei que terminei com você falando que queria curti. E curti, curti muita fossa, muito choro e muita gente falando que eu era idiota. Eu podia ter feito você tão feliz. Eu deveria ter sujado sua boca com o sorvete, eu deveria ter pego você no colo e te jogado na areia da praia. Lembra quando você cortou o cabelo e eu não falei nada? Eu deveria ter falado que aquele corte te deixou mais linda, que quando o vento batia nos seus cabelos e você olhava para baixo eu tinha certeza de que queria ficar com você pra sempre. Eu não to mentindo, tentei por vezes criar coragem e vir até aqui. Me chama, vai, me chama de burro. Me chama de burro por não ter visto que seu sorriso era o mais lindo do mundo, por não ter visto a curva dos seus cílios quase tocando nas suas sobrancelhas. Me bate, vai. Me bate por ter feito você chorar. Vai, me bate. Por favor. Me faz lembrar que você adorava chocolate branco e eu só te comprava preto. Briga comigo por eu nunca ter usado a camiseta que você me deu, briga. Eu deveria ter segurado sua mão com força. Eu deveria ter beijado sua testa enquanto podia. Eu deveria ter aberto a porta do carro pra você. Todas as tardes que eu joguei videogame, eu deveria ter deixado tudo de lado e ter ido de ver sorrir. Aquele seu vestido azul, você sempre usava porque combinava com a cor dos meus olhos não é? E eu nunca percebi. Eu nunca percebi o jeito que você mexia os dedos um de cada vez e que aquele nada, era você explodindo de ciúmes. Eu nunca deveria ter largado sua mão para segurar o copo de bebida, nunca. Eu não quero que me desculpe, eu não mereço. Eu só vim aqui ver se você tava com alguém porque eu quero dar um soco na cara dele. Ta vendo? Eu sendo ridiculo de novo. Mas eu não consegui ver você segurar a mão de outro cara. Você apertou a mão dele igual apertava a minha? Mordeu a mão dele? Diz pra mim que você não montou nas costas dele e tampou os olhos, para brincar de cavalinho. Diz pra mim que ele ta te fazendo sorrir. Diz. Só me diz se ele te faz feliz. Olha, se você não me ama mais, tudo bem, pode pegar a vassoura e me expulsar da sua casa. Mas se você ainda lembra do dia que eu te joguei um travesseiro na cabeça, você me tacou o controle da tv porque mudei de canal, logo em seguida eu tirei nossas alianças do bolso, te pedi em namoro e você falou que não queria ser minha namorada e sim minha esposa, então por favor, se você lembra desse dia, se você lembra da sua blusa rosa suja de brigadeiro e seu bico de brava porque eu falei que a dançarina do Faustão era bonita, sorri pra mim, pela última vez, sorri pra mim. Eu juro que te esqueço, que não te pertubo mais e paro de mandar sms em todas as horas iguais, mas sorri pra mim. Deixa eu, pelo menos essa noite, dormir feliz por te visto você sorri. Eu vou embora… E me desculpe, eu não mereço nem seu sorriso.

Ela sorri: – Eu senti sua falta, mesmo você não merecendo nem minha raiva. Ele a beija.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011


Ela: Você devia arrumar uma namorada.

Ele: Você também.

Ela: Mais a pessoa que eu amo, acho que não me ama.

Ele: Porque você acha isso?

Ela: Porque ele nunca me disse.

Ele: E se eu te amar, você esquece esse sentimento por esse outro garoto?

Ela: Não posso.

Ele: Porque?

Ela: Porque esse outro garoto é você.

(É Fato)